Tendências 2020: SEO para E-commerce

Não é porque 2020 já chegou que as tendências para este ano acabaram. Por isso, nossa série continua. Desta vez, o tema é SEO para E-commerce, para isso, conversamos com Daniel Bender, do site SEO para E-commerce. Confira:

SEO é uma forma de marketing, com isso vale a pena rever todos os anos as tendências que devem dominar o cenário. Em 2020 há algumas coisas que todos devem prestar atenção para montar uma estratégia de SEO para E-commerce lucrativa e sustentável.

O ponto central desse artigo é que sempre teremos mudanças. E que planejar para as novidades deixarão seu negócio mais robusto e lucrativo. Mais importante que isso, prestar atenção às tendências vai deixar seu site imune à atualizações do Google.

Mais competição em 2020

Pois é. As buscas de alto volume continuam as mesmas, mas a competição aumentou. Ainda há apenas 10 posições orgânicas na 1ª página do Google e como se não bastasse a concorrência de outros sites, o próprio Google tem mostrado cada vez mais conteúdo rico e anúncios em formatos criativos.

Por um lado espere mais dificuldades no SEO para E-commerce em 2020, por outro as oportunidades estarão mais difusas, dando oportunidade para quem dominar estratégias avançadas de SEO, como o SEO indireto e super long tail.

Menos cliques no geral

Não é apenas a competição que diminui seus cliques orgânicos. Os resultados de pesquisa cada vez mais ricos geram menos cliques de forma geral.

Por outro lado as visitas estão a cada dia mais assertivas, com uma taxa de conversão maior. O Google Shopping ainda não é um marketplace. Quando isso ocorrer, certamente teremos queda vertiginosa nas vendas orgânicas.

A parte boa é que há oportunidades interessantes em disponibilizar o conteúdo de seu e-commerce em formatos ricos. Fazer uma boa otimização das imagens, por exemplo, ajuda a aparecer na busca por imagens.

E nada impede que uma página de produto esteja indicada na posição zero de uma determinada busca.

Aumento no SEO indireto

A popularização de marketplaces e redes sociais focadas em SEO (como Quora e Pinterest) aumentam ainda mais as possibilidades de gerar vendas através de SEO indireto. Não é algo fácil de se fazer, pois requer um certo conhecimento no site que você vai atuar. O SEO indireto funciona assim:

O cliente que deseja comprar uma peça de motor irá primeiro buscar no Google, verá apenas resultados do Mercado Livre, entrará no mercado livre e lá verá todas as opções. Dentre as opções, algumas terão e-commerce. E o comprador terá a opção de conhecer a loja do vendedor. Caso a loja seja profissional e tenha credibilidade, o comprador poderá escolher comprar no e-commerce ou no Mercado Livre.

SEO para Mercado Livre, SEO para Pinterest e SEO para Youtube são 3 temas que devem ser abordados mais adiante no Curso de SEO para E-commerce.

Conteúdo mais natural

Foi-se o tempo em que bastava repetir muitas vezes um termo para aparecer na busca. A tendência é de buscas com linguagem cada vez mais naturais, incluindo perguntas e respostas inclusive como dados estruturados.

Desde 2002 quase todas as atualizações de algoritmo do Google tem privilegiado resultados mais naturais, próximos da intenção do usuário. Quem trabalhar desde a ideia do negócio até sua execução pensando em SEO tem uma boa chance de ter sucesso em e-commerce.

Muitas buscas por voz

Comandos de voz e buscas por voz vão mudar muitas coisas nas buscas. No momento, há pouco impacto nas lojas virtuais, mas por ser uma atividade de uso crescente é vital se adaptar à esta realidade.

As buscas por voz vão mudar tudo. Será uma reedição aumentada da mudança causada pelo uso de smartphones. Para colocar em perspectiva, hoje 2/3 das navegações acontecem em dispositivos móveis. Há 10 anos essa proporção era ínfima.

Em dezembro 2018, no último dado disponível, 1/3 dos brasileiros fez alguma busca por voz. Em dezembro de 2019 certamente mais de metade dos brasileiros terão feito pelo menos 1 busca por voz.

E quase sempre a linguagem usada nas buscas é natural. Inclusive dizendo “por favor” e “obrigada” para o assistente de voz.

Gostou e quer saber mais sobre o assunto?
Contrate a Plin Digital:
Planejamento digital
Marketing de Conteúdo
Estratégia digital para o seu negócio
e-mail: mari@plindigital.com
www.plindigital.com
51 9 8225 0065

Com marketing de conteúdo as empresas também podem prospectar negócios

É hora do almoço, mas em vez de bater papo com colegas ou ler o Twitter, você engole um sanduíche na sua mesa mesmo e participa de um webinar de 60 minutos oferecido por uma empresa de consultoria.

Os consultores esperam que, ao terminar o webinar (e o sanduíche), sua empresa esteja mais propensa a comprar os serviços que oferecem. É isso que acontece? Ou teria sido mais eficaz os consultores mandarem um representante para ministrar um workshop na hora do almoço ou convidar você para um seminário com patrocínio?

O webinar é quem ganha, de acordo com uma nova pesquisa de Bobby Calder, professor de marketing na Kellogg School, e Wei-Lin Wang, Edward Malthouse e Ebru Uzunoglu, todos do Centro de Pesquisa Spiegel da Medill School.

Em um estudo de marketing de conteúdo em empresas que atuam no ramo de “business-to-business”, os pesquisadores descobriram que as ofertas digitais, como webinars, folhetos informativos e blogs de marcas, são ferramentas valiosas que resultam em mais prospectos de negócios e, em última análise, em mais vendas do que as que ocorrem em eventos de marketing de conteúdo presencial, como conferências, workshops e mesas redondas.

Teste da eficácia das atividades B2B de marketing de conteúdo

O marketing de conteúdo, ou CM, explodiu na última década, pois os profissionais de marketing estão cada vez mais cientes de que a publicidade tradicional não retém a mesma importância que costumava ter e que o CM é uma ferramenta que atrai os clientes atuais.

Assim, as marcas e as empresas se voltaram para o CM, usando de tudo, desde questionários patrocinados em sites com alto índice de tráfego, como o Buzzfeed, até eventos corporativos chamativos, como o Festival de Culinária, Ideias e Música da Chipotle.

Embora um número cada vez maior de pesquisas demonstra a eficácia de esforços de marketing de conteúdo como esses em empresas voltadas para o consumidor, compreende-se menos o papel do CM em empresas B2B. A pesquisa de Calder não só valida os investimentos que grandes empresas como a GE e a IBM criaram no marketing de conteúdo B2B, como também é a primeira vez que se testa a eficácia de diferentes tipos de atividades de marketing de conteúdo.

O poder do marketing de conteúdo digital

Uma empresa líder em consultoria forneceu aos pesquisadores os dados de eventos realizados entre 2013 e 2016. O conjunto de dados incluiu 1.203 eventos digitais e 919 presenciais. A empresa também compartilhou informações sobre as contas comerciais com as quais trabalhou, incluindo cargos de mais de 160 mil funcionários de 784 grandes contas convidados a participar dessas ofertas de CM, bem como informações sobre quase 50 mil oportunidades de vendas associadas às contas.

Os pesquisadores reuniram informações sobre quais funcionários participaram dos eventos presenciais e sobre os funcionários e as contas que acessaram os materiais digitais do prestador de serviços.

Assim, os pesquisadores puderam realizar uma “corrida” estatística, diz Calder, depois de controlar fatores como a proximidade geográfica entre o prestador de serviços e a conta, o tempo da relação comercial entre os dois participantes da interação e as tendências econômicas mais relevantes que poderiam afetar os resultados das vendas.

O envolvimento dos funcionários da conta com as oportunidades de CM digital resultou em mais prospectos de vendas e mais vendas concluídas, conhecidas como oportunidades conquistadas. Porém, para a surpresa de Calder, os eventos de CM presenciais pareciam não influenciar os prospectos de negócios ou as oportunidades conquistadas.

Calder acredita que isso acontece porque participar de um evento presencial frequentemente exige muito mais tempo dos funcionários da conta, que pode parecer mais fardo do que benefício: você precisa deixar sua mesa, deixar de lado outras tarefas por um tempo, e talvez viajar para chegar até o evento. Uma vez estando lá, é fácil se distrair com os aspectos sociais do encontro, tais como coquetéis, bate-papo, networking e se esquecer da empresa que patrocinou o evento.

Em contrapartida, se estiver assistindo a um webinar durante o horário de almoço, você pode ter uma sensação mais forte de que a empresa patrocinadora está “fazendo algo por mim”, diz Calder.

Esses resultados apontam para o enorme poder do conteúdo de mídia como um fator de influência no comportamento.

O poder do marketing de conteúdo digital “faz mais sentido do que se poderia imaginar”, explica Calder.

Marketing de conteúdo deve atingir toda a hierarquia

Outro dado importante obtido pela pesquisa: é importante segmentar o CM entre os funcionários de contas juniores e intermediários, não apenas os executivos.

Embora os funcionários de alto nível tenham contribuído mais para o aumento das vendas, os pesquisadores descobriram que os funcionários de contas em todos os níveis ajudaram a aumentar os prospectos quando o CM digital contou com a sua participação.

Os pesquisadores observam que o envolvimento somente dos funcionários de alto nível resultou em um aumento nas oportunidades conquistadas, mas isso não significa que os profissionais de marketing devam ignorar aqueles que estão abaixo na hierarquia: é provável que os funcionários de alto nível atuem com base no aconselhamento dos mais juniores quando fecham contratos. E, em alguns anos, quando esses funcionários juniores forem promovidos, você vai querer que eles tenham um vínculo positivo com sua empresa.

O fim do conflito entre marketing de vendas

Calder acredita que a pesquisa aponta para um caminho em que o marketing de conteúdo pode ajudar a eliminar o atrito entre vendas e marketing, o qual é generalizado em muitas empresas de B2B.

É comum os vendedores se sentirem frustrados com os esforços de marketing e reclamarem que os profissionais de marketing não agregam muito valor no ambiente de B2B. Os profissionais de marketing, por sua vez, frequentemente culpam o trabalho hesitante dos vendedores pelos resultados ruins.

Esta pesquisa, entretanto, sugere que os profissionais de marketing têm um papel importante a desempenhar na geração de prospectos de negócios, uma função que pode complementar as vendas.

Os clientes querem conteúdo de alto valor, e já não é suficiente os vendedores fornecerem uma brochura do produto como informação adicional. Por isso Calder sugere que os profissionais de marketing se concentrem no desenvolvimento de um forte portfólio de ofertas de conteúdo on-line.

Texto adaptado do site da Kellogg School of Manegement.

A diferença entre Marketing e Publicidade e Propaganda


Não é muito difícil encontrar pessoas que confundem o conceito de Marketing, Propaganda e Publicidade. “Ah, eu já estou fazendo Marketing, estou postando meu anúncio no Facebook”, é algo recorrente de escutar de empresários nos processos de consultoria.

Mas será que Marketing se resume mesmo ao post em uma rede social? E o que seria então propaganda e publicidade? A mesma coisa? Adianto que não. Entender melhor esses três conceitos podem ser um passo decisivo para entender melhor as estratégias e usar – de forma mais assertiva – a publicidade, a propaganda e o Marketing ao nosso favor.

Mas o que é Marketing?

Se seguirmos a risca sua definição, vamos encontrar que “o Marketing é uma atividade, um conjunto de instituições e processos para criar, comunicar, entregar e trocar ofertas que tenham valor para os consumidores, clientes, parceiros e sociedade em geral” (definição da American Marketing Association). Trocando em miúdos, é uma série de estratégias e técnicas que buscam agregar valor a marcas ou produtos, de atender as necessidades do cliente. Toda empresa ela precisa suprir determinado problema, resolver uma situação e para isso ela precisa mostrar isso aos seus clientes.

Por isso, Marketing deve ser a essência de um negócio. Ele deve estar enraizado em todos os departamentos, tudo deve estar ligado. E uma frase que simboliza todo esse envolvimento é do David Packard, fundador da HP: “Marketing é importante demais para ser entregue ao departamento de marketing”. Ou seja, trata-se da espinha dorsal de uma empresa. Toda organização bem orientada e direcionada está fazendo Marketing em busca, justamente, de atender e comunicar seu público-alvo.

Hoje em dia, ao chegar em uma livraria ou colocar no Google, você verá um quase infinito arsenal de conceituações e ramificações para o Marketing. São ramificações que buscam explorar com mais detalhes cada uma das estratégias, muitas vezes, sendo bem crítico, são “o mais do mesmo” lançado com outro nomes para promover professores ou vender mais livros.

O que é Publicidade?

A publicidade é uma maneira de estimular o cliente a realizar a compra. É um dos meios de anunciar ou promover um determinado produto ou serviço. Nele se pode usar espaços comerciais como veículos de comunicação, redes sociais, outdoor, seus próprios consumidores através do boca-boca, enfim… existem dezenas de plataformas e meios para fazer o seu produto ou serviço ser conhecido. Para esse intuito, geralmente, a publicidade apropria-se de estratégias de persuasão como informar, mostrar vantagens, apresentar benefícios, fazer comparativos, informar preços, descontos, atiçar o medo, entre outros.

E a Propaganda, onde entra?

Você já deve ter escutado que a Propaganda e Publicidade são a mesma coisa. certo? E para falar a verdade, na prática, o mercado também considera isso. Inclusive, o CENP (Conselho Executivo das Normas-Padrão), que é a entidade criada para assegurar boas práticas comerciais entre Anunciantes, Agências de Publicidade e Veículos de Comunicação, indica que tanto a publicidade e propaganda tratam-se de “qualquer forma remunerada de difusão de ideias, mercadorias, produtos ou serviços”.

No entanto, quando vamos para os estudos acadêmicos, a diferenciação entre esses dois conceitos acontecem. A publicidade tem a intenção de promover empresas, produtos e serviços, enquanto a propaganda está no campo das causas e ideologias. Por isso a propaganda estaria mais ligado a questões que envolvem ideia, princípio, doutrina, causa ou prática. Por isso, atrelamos a Propaganda quando ela possui, por exemplo, o caracter mais eleitoral, governamental, religioso, relacionado à guerra. Exemplo: a propaganda eleitoral gratuita perto da eleição. Outro exemplo, a imagem do Tio Sam com o dedo apontado para frente na Primeira Guerra Mundial, que se tornou uma propaganda histórica emblemática.

* Com informações do Administradores

Entenda um pouco sobre transformação digital e no que essa transformação implica

Você já ouviu falar em transformação digital? Esse termo tem ganhado a atenção de empresas de todos os setores ao redor do mundo.

Mas o que é isso, exatamente? Há quem pense que se trata de um esforço de TI ou que envolve melhorar a experiência do cliente, além de uma infinidade de outras ideias e definições.

Porém, a transformação digital não é um conceito para o futuro, e sim algo pelo qual as empresas de hoje têm de dar o máximo de atenção para continuar vivas.

Por isso, de acordo com artigo publicado no site Marketing de Conteúdo, é preciso entender exatamente o que significa essa transformação, qual o seu impacto na sociedade e como aplicá-la nos processos de negócio.

O que é transformação digital

Se contextualizamos a necessidade da transformação digital com a história é mais fácil entender o que está acontecendo dentro dos negócios.

Empresas constituídas antes do surgimento da internet enfrentam um grande desafio: muitas das regras que orientavam o progresso dos negócios na era pré-digital não se aplicam mais.

A boa notícia é que a mudança é possível! Essas empresas podem se transformar e florescer na era digital.

Transformação digital é um processo no qual as empresas fazem uso da tecnologia para melhorar o desempenho, aumentar o alcance e garantir resultados melhores. É uma mudança estrutural nas organizações, dando um papel essencial para a tecnologia.

Mas então praticamente todas as empresas estão investindo nisso, certo? Errado! Esse conceito é muito mais amplo do que ter uma fanpage ou um blog corporativo.

Trata-se de uma mudança radical na estrutura das organizações, a partir da qual a tecnologia passa a ter um papel estratégico central, e não apenas uma presença superficial.

Isso leva tempo e consome recursos, mas não são só as grandes organizações que podem implantar programas de transformação digital, até porque isso não se resume a quem tem mais dinheiro.

Antes, é preciso entender o processo todo que leva a essa mudança e trabalhar de forma colaborativa para alcançá-la.

Isso, por si só, torna a transformação digital um desafio muito mais de gestão do que apenas de marketing ou tecnologia.

Entre os fatores que precisamos entender está o impacto desse tipo de mudança na sociedade de forma geral, o que nos leva ao próximo tópico.

Impacto da transformação digital na sociedade

É essencial compreender que a transformação digital tem profundo impacto sobre a sociedade, de maneira geral. A partir dessa conclusão, se torna mais claro o valor de implementar programas de mudança nas empresas.

Mas como esse impacto acontece? É simples, pense em como o uso da tecnologia vem transformando as nossas vidas a cada dia.

As coisas ficaram mais rápidas, o volume de informações é infinitamente maior que antes e não para de aumentar.

Tudo isso faz com que as pessoas estejam mais distraídas e exigentes do que nunca. Essa é a primeira mudança: há uma clara alteração de comportamento.

Além disso, a nossa vida ficou bem “mais fácil”, pois serviços e produtos automatizados oferecem uma comodidade impensada alguns anos atrás.

Pensando do ponto de vista de serviços de utilidade pública, como no caso de hospitais, autoridades policiais e bombeiros, isso significa mais vidas salvas graças à tecnologia.

Por outro lado, surgem desafios novos como transtornos ligados ao não preparo das empresas em relação às reclamações de clientes e o ato de digitalizar sem preocupar com a experiência do usuário ao longo do processo de compra.

Com a evolução da tecnologia, surgem tanto novas soluções quanto problemas que precisam de atenção, o que obriga as empresas a se adaptar para suprir as demandas da sociedade.

É aí que entra a transformação digital! Por meio dela, é possível otimizar vários processos. As possibilidades são ilimitadas.

Futuro e a geração Z

A geração Z é composta por pessoas que nasceram a partir de 1994 e são consideradas nativos digitais. De acordo com a Fast Company, até 2020 a geração Z representará 40% de todos os consumidores.

Essa geração cresceu cercada pelos dispositivos digitais. Portanto, elas serão as pessoas que mais cobrarão essas mudanças. E esse futuro não está distante. Hoje em dia, os mais velhos da geração já estão no mercado de trabalho, formando em faculdades.

Por serem multitarefas e poderem processar informações mais rapidamente do que qualquer geração anterior, os membros dessa geração estão aniquilando práticas de marketing que se tornaram obsoletas.

Eles são capazes de consumir conteúdos digitais em multi telas, usando uma ampla gama de dispositivos de forma simultânea. Além disso, eles já têm poder de compra e esperam que as empresas sejam digitais.

E qual o papel das empresas nesse contexto?

Elas são encarregadas de fornecer às gerações a tecnologia de espaço de trabalho digital que melhorará a experiência dos funcionários, com o objetivo de atender suas diferentes expectativas e preferências.

É preciso pensar na constante mudança do seu cliente para entender a importância da transformação digital.

 

Marketing baseado em pessoas

O objetivo da publicidade sempre foi o mesmo: alcançar a pessoa certa, no lugar certo, na hora certa, com a mensagem certa, a fim de gerar resultados comerciais reais.

No entanto, com o avanço de tecnologias como o celular, o tempo e a atenção das pessoas tornaram-se cada vez mais fragmentados, dificultando para os profissionais de marketing o trabalho de determinar quando, onde e qual é a melhor forma de alcançar as pessoas. Por esses motivos, os planejadores e estrategistas têm hoje a complicada missão de determinar a direção na qual planejar e otimizar suas mídias de forma mais eficaz.

O Facebook começou a observar que estratégias de marketing baseado em pessoas resultam em um melhor planejamento e medição em diferentes plataformas e dispositivos. Embora seja difícil mudar totalmente para esta estratégia hoje mesmo, há algumas maneiras de iniciar a caminhada de mudança e nos preparar para o futuro.

E o que torna o marketing baseado em pessoas diferente?

Vamos começar com um termo de comparação. Quando pensam em planejar para meios tradicionais (como TV, mídia impressa e publicidade externa), os profissionais de marketing observam as pessoas que compram um produto, classificam-nas em termos demográficos e, em seguida, procuram “o lugar certo” onde elas estão passando o tempo (ou seja, Programa A na Rede B ou Publicação Impressa C). O objetivo é encontrar o lugar certo para anunciar, mantendo todo o resto constante.

Da mesma forma, para o planejamento digital, os profissionais de marketing primeiro encontram seu público-alvo, mas agora podem ser mais específicos. Por exemplo, podemos procurar adultos com idade entre 18 e 34 anos, com interesse em café e que morem em Ohio. Então, podemos mostrar anúncios a pessoas desse grupo onde quer que elas estejam na Internet. O objetivo aqui é encontrar o grupo certo de pessoas, mantendo todo o resto constante.

Com o marketing baseado em pessoas, os profissionais de marketing não mantêm nada constante. Agora, podemos encontrar uma pessoa, em vez de grupos grandes como “Adultos de 18 a 34 anos” ou “pessoas que gostam de café” e alcançá-las em qualquer dispositivo ou plataforma que elas estejam usando. Isso porque, hoje, o alcance e a atenção estão fragmentados entre diferentes dispositivos e plataformas. Todas essas variáveis serão alteradas com cada exposição, e planejar para as pessoas onde elas estiverem permitirá aos profissionais de marketing dimensionar e alcançar com eficiência o objetivo de mostrar o anúncio certo, para a pessoa certa, na hora certa.

Foto: Reprodução Facebook

Medição baseada em pessoas e planejamento em ação

Para planejar para pessoas, é necessário entender onde elas estão passando tempo e o impacto das diferentes estratégias de marketing. Medir os canais em silos limita sua visibilidade em relação ao impacto total dos seus esforços de publicidade. Os resultados da medição baseada em pessoas podem ajudar a orientar todo o ciclo de vida do marketing, em diferentes dispositivos e canais. Com os dados e ferramentas baseados em pessoas, os profissionais de marketing podem vincular ações diretamente a pessoas reais onde quer que elas estejam, e podem preencher as lacunas de medição existentes em medições tradicionais baseadas em cookies, que não capturam a jornada completa do consumidor.

Os relatórios baseados em cookies distorcem os resultados da campanha e desperdiçam o dinheiro investido em anúncios

Representação excessiva

As Ferramentas de medição do Facebook, por exemplo, são baseadas em informações de pessoas e oferecem aos profissionais de marketing a capacidade de medir campanhas dentro e fora do Facebook, em desktops e em dispositivos móveis, e em qualquer ambiente online. Ao observar a atribuição e o alcance, essa abordagem garante aos profissionais de marketing uma visão holística de seu desempenho de publicidade, algo que antes não era possível.

Planejando com as pessoas em primeiro lugar

Os resultados de medição não devem ser isolados ao final da campanha, com a medição baseada em pessoas, você pode orientar todo o processo de planejamento da campanha para dar suporte às decisões desde o princípio. Com uma melhor percepção sobre onde estão as pessoas, e uma compreensão do canal ou do desempenho de mídia da plataforma, podemos alcançar as pessoas certas onde quer que elas estejam, para capturar o impacto de maior potencial.

Planejar para pessoas

Use as informações obtidas por meio da medição baseada em pessoas para planejar suas campanhas, alcançar as pessoas certas, na hora certa, e gerar melhores resultados comerciais.

O que a internet das coisas poderá fazer pelo marketing digital?

O próximo grande game changer do mercado é sem dúvida a Internet das Coisas (IoT). Há uma verdadeira revolução por traz dessa tecnologia, e seu impacto será sentido em todos os aspectos da interação humano X máquina, e até mesmo humano X humano. As possibilidades são imensas, e o marketing digital não ficaria de fora.

Para os leigos no assunto, a IoT interliga diversos aparelhos eletrônicos através de tecnologia sem fio e uma linguagem única de decodificação dos dados multiplataforma. Ela basicamente coleta informações sobre uso de vários dispositivos, compartilha essas informações entre os aparelhos, e fornece um big data capaz de ser usado para solucionar problemas, fornecer maior conforto e segurança, além de ampliar a interação humana.

Mas como o marketing digital poderá se beneficiar desta nova relação que nos conduzirá a um novo estágio da internet, a web 3.0? O maior bem que se pode ter para uma estratégia eficaz no marketing digital é a informação, primeiro para conhecer as preferências do seu público e em seguida para disponibilizá-la. É nisto que a internet das coisas se apoia no compartilhar das informações entre os diferentes dispositivos e objetos, para facilitar a nossa rotina diária.

Entenda o novo uso de data analytics

O principal foco da IoT é coletar informações a respeito da vida das pessoas e utilizá-las de forma inteligente. E esse processo já está acontecendo diariamente, com as pessoas que, de alguma maneira, acessam a Internet.

Isso porque o perfil do usuário de qualquer aplicativo, mecanismo de busca ou rede social já pode ser mensurado e gerido a fim de que se transforme em peças de Marketing Digital.

Em outras palavras, o Marketing Digital usará mais dados para proporcionar mais ofertas e estratégias ao seu público. Mas, cuidado para não ser invasivo, agressivo ou ir diretamente ao produto a ser oferecido. Desde já, aprenda a seduzir seus clientes, leve até ele o que realmente ele quer saber e no momento certo.

Faça a automação nas redes sociais

As redes sociais, hoje, são o grande canal de Marketing da Internet. Mesmo aqueles que não são afoitos pela exposição de suas vidas utilizam as plataformas para manter contato com amigos, conhecidos, profissionais da área etc. As publicações nessas redes já são automatizadas. No entanto, a empresa deve programá-las. Geralmente se escolhe a data, o horário e a possibilidade de impulsar ou não cada um dos conteúdos que serão disponibilizados por sua marca. Desenvolva uma estratégia de conteúdo para suas mídias sociais, levando em conta a segmentação, contexto e momento.

Com a Internet das coisas, será possível o próprio sistema nutrir automaticamente as postagens de acordo com o rendimento e a aceitação das postagens anteriores, escolhendo o melhor conteúdo, horário, alcance e até mesmo quais os posts devem ser impulsionados.

E você, o que acha sobre estas mudanças? Está em dúvida de como fazer? Deixe a Plin ajudar você.

Os benefícios do marketing digital

Quais os benefícios de fazer marketing digital bem feito? Acontece que, através de canais online de comunicação e redes sociais, clientes satisfeitos com seu negócio e com os benefícios obtidos com seu negócio provavelmente irão elogiar a empresa e publicar comentários positivos de suas experiências. Isso efetivamente traz novos consumidores e auxilia a empresa a construir um relacionamento longo e duradouro com seus clientes e potenciais clientes.

Entretanto, é necessário que se tenha cuidado! Da mesma forma que a internet e as redes sociais podem funcionar de forma positiva quando uma empresa tem clientes satisfeitos, os clientes insatisfeitos podem prejudicar e muito a reputação online da sua empresa caso tenham sido impactados negativamente com seus produtos ou serviços.

De acordo com o Viver de Blog, quem usa canais de marketing digitais pode medir com facilidade o impacto de cada um desses canais, como quantos visitantes de um site se tornam compradores, tornando possível identificar quais trazem mais resultados e por isso merecem maior investimento.

Através desses dados, você pode descobrir:

  • Quais canais possuem a melhor relação custo-benefício para a aquisição de clientes, baseando-se na taxa de conversão e no custo de aquisição de cada um desses leads.
  • Quais canais são mais eficientes não só para atrair consumidores, mas para gerar recompras (como o email marketing), criando uma base de clientes fiéis.
  • Quais consumidores demonstram maiores chances de comprar outros produtos seus de categorias superiores através do engajamento dessa parcela de clientes.

Se sua empresa ainda não descobriu os benefícios do marketing digital, procure-nos, vamos ajudar você!

 

O que é marketing digital?

Quantas vezes você já ouviu este termo – marketing digital? Quantas vezes já ouvi que você e sua empresa precisam investir no assunto? Quantas vezes você se perguntou sobre o que é marketing digital? Pois bem, a Plin vai ajudar você!

Marketing nada mais é do que criar uma conexão com um determinado público-alvo para identificar necessidades e desejos e oferecer as soluções mais adequadas.

E o que é o Marketing Digital? É a reunião dessas estratégias de marketing porém feitas de forma online.

O marketing digital também é o conjunto de atividades que uma empresa (ou pessoa) executa online com o objetivo de atrair novos negócios, criar relacionamentos e desenvolver uma identidade de marca. Dentre as suas principais estratégias estão o SEO, Inbound Marketing e o Marketing de Conteúdo.

Apesar de ter surgido há pouco mais de 20 anos, essa vertente do Marketing revolucionou a maneira como empresas comunicam com os consumidores.

O marketing digital consiste em estratégias de marketing aplicadas e adaptadas para a Internet e também para os dispositivos móveis, utilizando técnicas de comunicação para promover produtos ou serviços de forma rápida, significativa e personalizada.

Em outras palavras, o marketing digital é o conjunto de esforços ou atividades de marketing executadas por uma empresa com o objetivo de atrair mais consumidores, se comunicar com eles, criar um relacionamento mais próximo e, principalmente, construir uma identidade de peso no mercado.

Resumidamente:

Marketing Digital é promover produtos ou marcas por meio de mídias digitais.

Sua empresa ou você já trabalham com Marketing Digital? Deixe seu comentário.

Marketing digital para pequenas empresas e medias empresas


O grande barato da web é que ela proporciona a chance de o pequeno competir saudavelmente com o médio e o grande, com as mesmas ferramentas e estratégias. Por isso, você deve aproveitar a Internet para o seu negócio, sem desperdiçar dinheiro ou recursos e estabelecer vantagens competitivas mais permanentes por meio de uma estratégia coerente, eficiente e eficaz.

A Internet deve se tornar em um aliado do seu negócio hoje, amanhã e sempre. Pensando nisso, a PlinDigital mostra para você porque sua pequena ou média empresa deve investir em marketing digital.

Por que a opção pelo marketing digital para PMEs (Pequenas e Médias Empresas)?

A aplicação ou não de estratégias de marketing digital para pequenas empresas não é mais uma questão de opção e sim uma imposição do mercado. Da mesma forma que a empresa ter ou não um site já é discussão passada, estar ou não presente no ambiente do marketing online também já é uma questão de sobrevivência para as PMEs.

Sua empresa ainda não tem um plano de marketing digital?

O primeiro passo para a criação de um plano de marketing digital, é definir muito claramente seus objetivos e orçamento disponível.

Para ter sucesso no marketing digital, é preciso identificar claramente seu público alvo, canais utilizados, padrões de utilização e outras características, para então poder desenvolver uma estratégia de marketing online realista e que traga resultados.

Os obstáculos ao marketing digital nas pequenas empresas

O marketing digital para pequenas empresas oferece uma série de benefícios aos empreendedores, mas, ainda é comum vermos empresários relutarem em adotá-lo e os motivos são pelo menos dois.

1 – O primeiro é a resistência natural como já comentamos anteriormente. Além disto, ainda tem gente em plena era digital acreditando que imprimir milhares de panfletos, colaborando para o desmatamento e emporcalhando a cidade, seja o melhor e única forma de divulgar o seu negócio.

2 – Outra barreira que impede o marketing digital de se tornar uma realidade, é a forma de implementá-lo. Muitos empresários não tem conhecimento nem tempo para realizar este trabalho internamente, dificultando ainda mais a implementação de um projeto de marketing digital.

Com a PlinDigital é possível discutir diferentes soluções. Procure a Plin Digital que vamos lhe mostrar como fazer para implementar um projeto de marketing digital. Você vai ver que é viável, pois os resultados vão viabilizar o próprio projeto.

WhatsApp testa ferramenta para que empresas possam falar com você


Atualmente, o WhatsApp é usado por diversas empresas e profissionais para a comunicação com seus funcionários e agora o aplicativo pretende se transformar em uma ponte também entre as companhias e seus clientes.

Está em fase de testes um recurso que permite às empresas falarem diretamente com os usuários do WhatsApp. A novidade deverá dividir opiniões se for implementada, de acordo com informações da agência Reuters.

A ideia está sendo tratada com cuidado, já que o app quer evitar problemas com mensagens de spam. Para isso, uma pesquisa quer saber dos usuários se eles costumam usar a plataforma para se comunicar com as empresas das quais são clientes e se eles já receberam spam. As companhias serão cobradas para que possam entrar.

O WhatsApp prefere não comentar o caso por enquanto.