Tendências 2020: busca por imagem


Pode parecer um clichê usar aquela máxima do pensador Confúcio, de que “uma imagem vale mais do que mil palavras”, mas nesse meio é uma grande verdade. O poder da imagem no marketing é forte.

E hoje em dia temos muitos estudos que comprovam essa afirmação:

* 90% das informações transmitidas ao cérebro são visuais, e as imagens são processadas 60 mil vezes mais rápido no cérebro que os textos. (Fontes: 3M e Zabisco)
* 40% das pessoas respondem melhor à informação visual do que a um texto simples. (Fonte: Zabisco)

 


Os seres humanos são naturalmente atraídos para o conteúdo visual.

Quer se trate de uma imagem ou de um vídeo, as pessoas preferem consumir informações em formato visual, pois é mais atraente, e isso leva ao aumento do engajamento e melhor performance de um post.

O nosso cérebro processa as imagens simultaneamente e os textos são processados em sequência. Por isso é muito mais rápido absorver as informações visuais.

A fotografia nas redes sociais

Se uma postagem tem uma foto, a interação com ela tende a ser maior. Por exemplo, em uma rede social como o Facebook, o engajamento dos posts cresce com a existência de uma foto, aumentando as curtidas e também os comentários. De fato, o envolvimento em posts com imagens aumenta em cerca de 230%.

O mesmo acontece no Twitter, já que um tweet com foto recebe, em média, até 35% a mais de RTs. Diante disso, é possível entender o sucesso de outra rede conhecida: o Instagram.

Se você deseja anunciar algo na rede, entenda que um dos pontos principais deve ser promover a identificação com o público. E, em geral, a imagem é uma ótima forma de conseguir isso.

Por isso, a busca por imagens está cada vez mais próxima do usuário. Quer saber mais sobre essa tendência para 2020? Dá o play no vídeo abaixo!

Conheça apostas do Google de planejamento para PMEs

Durante o Google Retail Summit, realizado em agosto de 2019, em São Paulo, o Google forneceu insights da mais recente pesquisa para que os varejistas consigam vender mais, não só na Black Friday, com ações simples de planejamento.

As grandes empresas se antecipam e se organizam durante o ano todo para a data, mas e como ficam as PMEs (Pequenas e Médias Empresas)? Pesquisa divulgada mostra que, com planejamento, as PMEs podem se sobressair aos olhos dos consumidores e lucrar nessa época do ano.

Preço não é tudo

De acordo com a pesquisa, em 2018 a percepção de “preços iguais” e preço alto definiu os escolhidos. 68% dos entrevistados afirmaram ter deixado de comprar algum produto porque os preços estavam muito altos. Mas o preço não é tudo. Mais da metade dos fatores de escolha estão ligados à confiança e ao nível de serviço.

Para quem costuma adquirir produtos em grandes datas do varejo, o aspecto mais importante na hora de definir o local de compra é o “melhor preço” (30,2%), “loja conhecida” (15,9%) e “frete grátis” (15,6%).

 

 

Cross datas

A ideia de cross datas é impactar o cliente durante toda a temporada, e tem três etapas centrais:

* Construção de vitrine: é a hora de determinar quais produtos do portfólio são mais relevantes;
* Validação de estratégias: se quer lançar produtos novo, prepare sua audiência para alcançar novos clientes;
* Alavancar as vendas.

Lock-in dos clientes

Outro dado da pesquisa mostra que 57% dos e-shoppers brasileiros já fizeram compras por meio de aplicativos. Porém, se pretende usar apps, é necessário se antecipar para convencer o clientes dos benefícios que o serviço oferece para ele, como cupons de desconto.

Outro fator que retém vendas são os programas de fidelidade: o uso de programas de fidelidade cresceu 20%, 60% dos clientes que têm planos de fidelidade pretendem comprar com a marca e mais de 50% dos clientes preferem comprar em uma só loja mesmo pagando um pouco mais.

Experiência de compra

A pesquisa também revela que a experiência de compra deve ser integrada e fluida. Um em cada três vendas offline é influenciada pelo digital. Por outro lado, a presença do multicanal impulsiona o negócio nas lojas físicas, pois é cada vez mais crescente o uso da loja física para conhecer o produto e comprar online.

Facilidades de pagamento

Mecanismos que facilitam o pagamento e estimulam a compra são decisivos:

* UX: informações de cobrança lembradas e preenchidas facilitaram em 54% das vendas;
* Parcelamento: 11% dos usuários dizem que facilidade na hora do pagamento é essencial;
* Cashback: 11% dos consumidores usaram cashback na Black Friday de 2018.

 

Gostou e quer saber como alavancar suas vendas?
Contrate a Plin Digital:
Planejamento digital
Marketing de Conteúdo
Estratégia digital para o seu negócio
e-mail: mari@plindigital.com
www.plindigital.com
51 9 8225 0065

 

Tendência 2020: podcasts

Os podcasts são conteúdos que a gente escuta e pode vir a consumir em plataformas como o Spotify, por exemplo. Que recentemente divulgou alguns dados, mostrando que o número de podcasts para 2020 praticamente dobre.

Em 2019, quantidade de público consumindo este tipo de streaming foi duas vezes maior em relação a 2018.

A expectativa do Spotify é que, em 2020, 20% de todo conteúdo publicado na plataforma seja de conteúdo e não somente música.

O podcast é considerado uma forma de atrair público que tem como preferência ouvir e não ler.

Quer saber mais sobre podcast?

Dá o play no vídeo da Mari Petek:

Segundo estudo, 98% das empresas brasileiras não sabem explorar o e-commerce

Quando o assunto é marketing digital, ganha força a importância que ele tem para o mercado de tecnologia e o sucesso que pode proporcionar a um e-commerce, com técnicas próprias do ramo é possível deixar o e-commerce bem posicionado, fazendo com que ultrapasse seus concorrentes e aumente suas vendas.

No Brasil, as lojas online crescem e batem cada vez mais recordes anuais. Os empresários têm investido no mercado de e-commerce, já que no século XXI, as pessoas estão muito preocupadas com a otimização do tempo. Sendo assim, foi justamente por isso que os comércios online surgiram.

No mundo de sites de buscas por produtos, quem faz o diferencial são as empresas que respondem as diversas dúvidas e informações do consumidor de forma rápida e clara. Quando empresários investem e contratam uma empresa de marketing digital, a venda é garantida, pois se não estiverem preparadas para respostas e soluções, perderão muito de seus investimentos em marketing.

Um estudo feito pela The Boston Consulting Group, apoiado pelo Google, apontou que mesmo as principais companhias nacionais estão longe de aproveitar o poderio total do marketing digital. A pesquisa, realizada com mais de 60 empresas em dez segmentos diferentes, confirmou que o marketing digital ainda requer um longo caminho no país para ser totalmente eficaz.

A maioria das empresas (55%) ainda se encontram em estágio emergente, enquanto 37% são apontados como conectados, 6% nascentes e, em pleno aproveitamento (ou multimomento), somente 2%. “Apenas 23% das empresas integram os dados on e offline. 59% delas sequer possuem integração dos dados online”, afirmou o sócio do BCG.

Segundo pesquisa, a economia do país, nos últimos anos, trouxe desafios para muitos empresários, que buscam mais oportunidades de crescimento para sua empresa. O marketing digital deixou de ser opção e está sendo considerado o principal canal de investimentos para publicidade, utilizada por empresas de diversos portes e segmentos, devido às suas vantagens e diferenciais.

Para isso, é necessário realizar um planejamento com os objetivos da empresa, programar um planejamento de marketing digital para sua loja online, escolher uma boa plataforma para hospedar seu e-commerce, determinar as formas de pagamento oferecidas aos clientes, como débito, crédito, dinheiro ou cheque, implementar sistemas de segurança com certificados SSL para seu e-commerce, alinhar as informações da loja online com o estoque da empresa e utilizar estratégias de SEO para posicionar o seu e-commerce na primeira página do Google.

Ao utilizar uma boa estratégia de SEO, as chances de conseguir mais visitas em sua loja online são bem maiores, já que a função dessas táticas é ajudar o Google a lhe enxergar.

A PlinDigital pode auxiliar você nesta missão, tornando sua empresa mais lucrativa e, com aumento de vendas, garantindo ganhos cada vez maiores.  Quer saber mais? Entre em contato conosco.

O que é e quais os benefícios de um infográfico? Confira!

Infográfico é uma ferramenta que serve para transmitir informações através do uso de imagens, desenhos e demais elementos visuais gráficos. Normalmente, o infográfico acompanha um texto, funcionando como um resumo didático e simples do conteúdo escrito.

Por isso com infográficos, é mais fácil compartilhar e entender informações complexas. Eles são ferramentas essenciais no mundo do marketing, que vem se tornando cada vez mais visual.

A vantagem do infográfico é a sua capacidade de ser personalizado visualmente de acordo com o tipo de público-alvo a ser abordado, tema, área de atuação, entre outros. Aliás, por ser uma ferramenta visual, a apresentação gráfica do infográfico é muito importante para a sua correta interpretação.

Um bom infográfico deve ser apresentado de modo organizado, facilitando a compreensão das informações nele contidas por diferentes níveis de pessoas, desde os técnicos até os leigos no assunto, por exemplo.

Quais são os benefícios de apostar em infográficos?

Infográficos representam dados estatísticos de maneira mais intuitiva e fácil de ser consumida, uma vez que traduzem ou expõem números de um modo mais agradável, até por que nada mais intimidador que linhas e mais linhas de dados e gráficos incompreensíveis;

Têm um potencial absurdo de se tornarem virais em vista da sua atratividade e facilidade de compartilhamento;

Por se tratar de sua natureza viral, número maior de pessoas irá ser redirecionado para a sua página, garantindo maiores oportunidades de atingir posições mais altas nos buscadores;

A disposição dos elementos nesse tipo de material facilita uma leitura mais dinâmica, pois cada informação possui seu determinado espaço na peça, sendo mais fácil de ser encontrada;

Os infográficos podem aumentar o tráfego do seu site em 12%;

Podem, também, ser ótimas ferramentas de branding, uma vez que você pode — e deve — usá-los para reforçar a identidade da sua marca.

Confira alguns modelos de infográficos criados pela Plin:

Você sabe o que é o Joyz? Descubra

O Joyz é o app de doações que faz a diferença de verdade!
É uma rede focada em ter como usuários apenas pessoas engajadas em fazer o bem e ajudar quem mais precisa. No Joyz seu clique tem valor: com impacto real, todos são bem-vindos a fazer ou receber doações em dinheiro sem taxas e sem pesar no bolso de quem doa! E nós, da PlinDigital, conversamos com a criadora do aplicativo: Juliana Ferreira.

Confere o que ela disse:

PlinDigital: Como surgiu a ideia de criar o Joyz?
Juliana Ferreira: Muitos de nós já havíamos passado por momentos de frustração ao tentar fazer o bem com doações, mas sem saber ao certo se a pessoa ou entidade iria realmente fazer bom uso do dinheiro. Até pq, é difícil encontrar alguém que realmente precise quando não temos um parente próximo ou indicação de amigos.
Percebemos que as pessoas que costumam fazer campanhas solidárias utilizam principalmente o Instagram e o Facebook para divulgação. Entretanto, apesar do alto engajamento nas publicações, as doações em si, que é o que realmente farão a diferença, são baixas. Os principais motivos apontados são vergonha de doar pouco e medo de doar para uma causa que não aproveite o dinheiro devidamente.
Assim, o Joyz app surgiu para ser uma rede que aproxima aqueles que precisam de ajuda daqueles que querem ajudar, ao mesmo tempo que pode ser uma empresa lucrativa.

PD: De forma resumida, o que é o app?

JF: O Joyz app é uma nova forma de fazer e receber doações filantrópicas. É uma rede de uso fácil e divertido, que possibilita doações a partir de R$ 0,10 (um Joyz) com um único click.
As campanhas do Joyz podem ser feitas não apenas por grandes ONG’s, por exemplo. Qualquer um que tenha uma causa do bem pode criar sua campanha, seja ela para ajudar um filho doente, um abrigo de animais, uma instituição de apoio a pessoas carentes, etc. Não temos a pretensão de mudar o mundo, mas acreditamos fortemente, que podemos sim, melhorar o ambiente ao nosso redor. O clichê de que se cada um fizer um pouco, faremos a diferença, é uma verdade máxima no Joyz.

PD: Quais as diferenças dele para sites de vaquinha?
JF: Um grande diferencial, é que no Joyz as campanhas criam laços fortes com os doadores, pois os usuários retornam constantemente ao app para ver novos posts, assim como costumam fazer no Instagram. Desta forma, eles doam frequentemente e surge uma relação de longo prazo, bem diferente do que ocorre quando alguém entra em sites de vaquinha, doa e sai, sem nenhuma interação.
Além disso, damos 40 Joyz bônus (R$ 4,00) aos novos usuários, para que eles já possam fazer as primeiras doações às causas que preferirem, assim que entrarem no app e sem botar a mão no bolso, até para entenderem melhor como é o app e como usá-lo.
Ressalto que tudo o que for comprado e doado em Joyz, é repassado integralmente às campanhas, que também não pagam nenhum tipo de taxa na hora de retirar o valor arrecadado. 😉

PD: Como usar o app?
JF: Basta o usuário baixar o app Joyz e criar seu perfil com foto e descrição.
Imediatamente, o usuário já receberá seus primeiros bônus para doar a quem preferir ou manter em seu saldo caso tenha entrado no app para criar uma campanha.
Ai, é só encontrar as causas que mais agradam ao usuário para doar seus bônus no botão roxo com um “J” que fica no meio de cada foto.

Segue aqui link que ensina como usar as funções básicas do app: Como usar o app Joyz

Teve tendências para 2018, no SXSW

Você acha que o futuro da mídia está nos smartphones? Esqueça. Segundo a futurista Amy Webb, professora da NYU Stern School of Business e fundadora do Future Today Institute, 2018 marcará o início do fim dos celulares inteligentes. A previsão foi feita em sua concorrida apresentação Tendências de Tecnologia para 2018, que lotou o auditório de 600 lugares na manhã deste domingo, 11, no SXSW, em Austin, Texas.

O prognóstico é a progressiva transição na próxima década da era dos computadores e celulares para vestir a tecnologia, usando comandos de voz, tato e voz. As mudanças devem radicalmente mudar a forma como se consome noticias, a começar pela postura corporal. “As pessoas podem se tornar mais sociáveis, não estaremos todos olhando para baixo como agora. Na China, você já pode sorrir para pagar suas compras, o sistema reconhece você”, exemplificou.

Outra tendência seria a fragmentação da internet, a partir da difusão de regulamentações em diferentes países: “Se vocês acham que temos um problema com fake news agora, vocês não sabem o que está por vir”, alertou a palestrante. Ao final da apresentação, ela divulgou o link para dois relatórios, com a compilação das tendências globais de tecnologia em 2018 e, também, seu impacto na área de mídia e jornalismo.

“Jornalistas precisam entender o que inteligência artificial é, o que não é, e o que isso significa para o futuro das notícias. Pesquisas avançadas em inteligência artificial têm progredido tanto, que hoje é um componente fundamental do nosso trabalho no Future Today Institute”, registra um dos trechos da publicação destinada a jornalistas. O documento também destaca elas estão presentes em todas as principais tendências do relatório, e é de vital importância que todos os tomadores de decisão na área do Jornalismo estejam familiarizados com os atuais e emergentes cenários de inteligência artificial.

Acesse os relatórios (em inglês):

Relatório Tendências de Tecnologia para Journalismo e Mídia 2018

https://futuretodayinstitute.com/2018-tech-trends-for-news/

Relatório Tendências de Tecnologia 2018

https://futuretodayinstitute.com/2018-tech-trends-annual-report/

Fonte: Letícia Duarte para Coletiva.net

Facebook Brasil lança oficialmente sua marketplace


O recém-anunciado lançamento do Facebook Marketplace no Brasil gerou grande expectativa para quem atua no e-commerce brasileiro. O recurso, que já está disponível em mais de 40 países, visa facilitar todas as operações de compra e venda dentro da rede social e oficializar de vez essas atividades que já eram praticadas pelos mais de 550 milhões de membros do Facebook que entram no serviço em busca de grupos dedicados ao comércio.

A ferramenta oficializa de vez essas atividades que já eram praticadas pelos mais de 550 milhões de membros que visitam a rede social em busca dos Grupos dedicados ao comércio.

“Sabemos que as pessoas já usam o Facebook para comprar e vender entre elas em suas comunidades e, agora, estamos tornando esse processo mais fácil”, disse Karandeep Anand, diretor de gestão de produto do Marketplace.

Você poderá acessar a loja virtual pelo endereço facebook.com/marketplace; clicar em “Marketplace” na barra lateral do desktop; ou tocar no ícone de loja no iOS ou Android.

Como funciona?

Para vender, basta tocar no ícone de câmera e registrar fotos do seu produto, adicionando o título, descrição e preço.

Depois basta confirmar a sua localização e postar. Os interessados só precisam buscar pelo produto na plataforma, usando a localização GPS.

Ao decidir pelo item no Marketplace é preciso fazer uma oferta, com o valor que está disposto à pagar na negociação ou enviar uma mensagem para o outro usuário e combinar as informações de compra.

Para facilitar, há um histórico com os equipamentos anunciados por você e com os produtos negociados no Facebook.

Dicas de segurança para o Facebook Marketplace

O Facebook fornece algumas dicas de segurança para que a transação seja bem-sucedida:

* Encontrar o comprador/vendedor em um local público
* Fazer/receber o pagamento por meio de um intermediador (como o Paypal)
* Denunciar anúncios suspeitos
* Não negociar itens proibidos (como drogas, armas, animais, criptomoedas, etc).

Facebook: a Plin te ajuda a se reorganizar no meio dessa mudança toda

Recentemente o Facebook informou que vai diminuir as postagens com notícias que você vê. Se você é um usuário que está de saco cheio de ver anúncios e mais anúncios na rede, deve ter ficado bem feliz, mas você já pensou no outro lado? Naqueles usuários ou páginas que precisam anunciar no Facebook para manter sua relevância e assim continuar com seu bom andamento?

Para esses, essa medida do Facebook impactará diretamente em sua fonte de renda e até em manutenção de equipes e empregos. No entanto, é preciso entender o que essa mudança significa, seu motivo e qual o impacto ela trará para os usuários “comuns” e para as empresas.

O motivo

O dono e criador do Facebook, Mark Zuckerberg, explicou que a mudança veio a partir de reclamações de muitos usuários que não conseguiam mais acompanhar os posts de familiares e amigos na rede social, pois ela estava cheia de anúncios de produtos e notícias que, na opinião de muitos, não era relevante.

Outro fator, foi o propósito da rede social. Em sua comunicação oficial, Mark Zuckerberg reforçou que a missão do Facebook é conectar e aproximar o mundo, em suas palavras “bringing the world close together”, e o fato das publicações da sua timeline estar populada basicamente de vídeos e imagens de marcas não corrobora com isso.

As mudanças em 2018

Segundo o responsável pelo News Feed do Facebook, Adam Mosseri, as mudanças que acontecerão são as seguintes:

– As páginas de empresas perderão seu alcance;
– O tráfego por referência de páginas de empresas irá cair;
– O tempo de visualização de vídeos postados em páginas comerciais diminuirá.

Se sua página cria conteúdo relevante e que interage com o usuário, ela será menos afetada que aquela página que cria sem interação.

Reorganize-se

É muito importante que você esteja sempre atento às mudanças em todas as redes sociais, ou seja, é fundamental que sua empresa esteja presente em outros ambientes digitais (sites e outras redes sociais)

Para começar a reajustar suas velas o quanto antes, considere os seguintes fatores:

1) As redes sociais são um terreno alugado: adianta construir um edifício inteiro em um terreno que não é seu?
2) A importância da autenticidade: marcas precisarão ser mais autênticas do que nunca, precisarão adicionar um valor real ao seu público e produzir conteúdo com originalidade.
3) Redes sociais são para socializar: leve sempre essa máxima ao pé da letra.
4) Use o que aprendeu interagindo nas redes sociais para construir alicerces concretos.
5) Mantenha seu blog atualizado! (se você não tem um, está na hora de criar).
6) Por fim, mas não menos importante, questione-se sempre: que primeira impressão você quer passar para seu futuro cliente?

No entanto, se você ainda tem dúvidas sobre as mudanças que acontecerão no Facebook ou não sabe o que vai fazer para se tornar relevante na rede, entre em contato com a Plin ou deixe seu comentário. A gente ajuda você e seu negócio, .

5 dicas para monitorar as redes sociais de sua empresa ou cliente

Como saber o que as pessoas estão falando de sua marca ou empresa na Internet? E como monitorar isso? É possível tomar ações para evitar que um comentário negativo ganhe proporções gigantes? E o contrário: é possível fazer algo para impulsionar comentários positivos vindos de influenciadores? É sobre isso que Fátima Silana, especialista em comunicação, inteligência de dados e monitoramento em redes sociais do grupo E.life Buzzmonitor, falou em sua palestra durante a FINIT, feira de tecnologia e negócios que aconteceu em Belo Horizonte, Minas Gerais, segundo o Tecmundo.

1 – Monitore Earned Media

Fique de olho no que outras páginas estão falando sobre você. Crie uma lista com as páginas ou publicações que tenham maior propensão a comentar sobre sua marca ou cliente, e acompanhe tudo de perto. Uma menção pode ser uma oportunidade de explorar melhor o tema, levantar a bola de sua empresa ou mesmo replicar uma informação incorreta ou resolver um mal-entendido antes dele ganhar corpo.

2 – Mensure os resultados

Quem não mensura resultados não está fazendo um bom trabalho. De nada adianta se esforçar ao máximo se você não consegue entender o motivo daqueles sucessos ou fracassos. As redes sociais oferecem algumas ferramentas para realizar esse trabalho, como o mapa de hashtags mais comentadas ou a evolução dos comentários. As hashtags mais usadas pelo seu público podem identificar um tema de maior interesse, assim como um pico de comentários pode indicar um tema polêmico. Por isso, tão importante quanto mensurar, é definir o seu objetivo com a estratégia a ser tomada: quer engajar os usuários? Quer ter novos inscritos? Cada objetivo demanda ações diferentes.

3 – Monitore os canais de comunicação da sua página… e também da concorrência!

Não adianta monitorar apenas a página do Facebook da sua marca, mas bisbilhotar a concorrência também é um caminho importantíssimo para desenvolver estratégias. Dessa forma, você consegue entender as ações executadas por eles, que resultados eles obtiveram com isso e trazer essas experiências para você.

4 – Responda o seu consumidor

Promova a humanização da sua marca ao dialogar com seu consumidor. Sempre responda-o porque isso também provoca fidelização. Outra ação interessante é monitorar palavras-chave que tenham a ver com a sua marca. Um bom exemplo é o Dorflex, que monitora todas as menções ao termo “dor de cabeça” nas redes sociais. Quando alguém toca no assunto, o social media entra em ação e dá dicas para aquela pessoa minimizar o mal estar. “O nome do produto não é citado em nenhum momento e o texto nunca incentiva o uso do remédio, mas o consumidor ‘simpatiza’ com a marca e as chances dele comprar Dorflex ao ir à farmácia acaba sendo maior que o do concorrente”, explica Fatima.

5 – Explore a geolocalização

É possível monitorar a localização do seu estabelecimento, seja no Facebook, Twitter ou Instagram. Isso funciona muito bem para eventos: é possível dialogar, por exemplo, com todas as pessoas que postaram algo dentro do Rock in Rio, ou da Campus Party, ou de seu restaurante. Aproveite essa ferramenta!

Semana que vem postadores mais 5 dicas. Fique atento! 🙂