Quando a informação se torna experiência: o uso da realidade aumentada no Jornalismo

Realidade virtual e Realidade Aumentada estão entre os temas mais discutidos no SXSW de 2018 que, nesta segunda-feira,12, está em seu quarto dia, em Austin, no Texas. São mais de 60 palestras dedicadas ao assunto ao longo do evento, em diferentes áreas, e o Jornalismo não fica de fora. O uso dessas tecnologias é uma realidade em redações norte-americanas, como o Washington Post. A experiência foi compartilhada, hoje, no painel ‘Realidade, mas melhor: aumentando o mundo com notícias’.

Na ocasião, o diretor de iniciativas estratégicas do Post, Jeremy Gilbert, contou como a tecnologia vem ajudando o veículo a proporcionar ao leitor uma experiência mais imersiva nas coberturas. Iniciado em 2017, o uso de realidade aumentada ganhou uma seção própria no aplicativo do celular do jornal – e vem sendo usada em projetos especiais, como a cobertura da Olimpíada de Inverno deste ano. Com o celular nas mãos, o leitor podia correr e comparar sua velocidade com a de corredores olímpicos, em uma tela que se assemelha a um videogame. Atualmente, quase 20 pessoas na redação – que reúne 800 jornalistas – dedicam-se a criar esses projetos.

“No início, havia certo ceticismo na redação, questionando se valia a pena o esforço e o investimento, se era relevante. Mas temos construído uma cultura coletiva, e temos uma boa resposta dos leitores”, detalhou Gilbert, em entrevista para o Coletiva.net. Erica Anderson, que comanda a área de narrativas de imersão do Google News Lab, prevê que, em cinco anos, a realidade virtual e aumentada estará popularizada nas coberturas jornalísticas.

“Estamos muito perto disso, a tendência é que essas tecnologias se tornem mais acessíveis e populares, e os jornalistas vão aprender a usá-las. No futuro próximo, a informação será experiência e estará ao nosso redor”, disse, durante sua apresentação no painel.

O que está sendo feito

No link abaixo, você pode conferir alguns outros exemplos de uso da Realidade Aumentada no jornalismo norte-americano. O material foi disponibilizado por outro participante do painel, o professor de tecnologia emergente da Universidade de Norte Carolina Steven King. A recomendação é de que as histórias sejam acessadas pelo celular, o que possibilita uma melhor experiência do que no computador:

https://medium.com/@steven_king/sxsw-panel-reality-but-better-augmenting-the-world-with-news-899d3cc3b8af

Fonte: Coletiva.net

Instagram adia novo ‘feed’ de fotos e libera vídeos mais longos

Foto: Thinkstock

A introdução de um algoritmo no “feed”, nos moldes do que ocorre com o Facebook, foi anunciada há duas semanas. A mudança, a maior já feita pelo aplicativo desde seu lançamento em 2010, não tinha data para chegar, mas, segundo a empresa, começaria a ser implementada nos próximos meses. As informações são do G1 Tecnologia.

No entanto, o Instagram decidiu adiar, depois de muita reclamação dos usuários, a decisão de alterar o funcionamento do “feed” de fotos.

O aplicativo passaria a exibir primeiro as imagens de perfis que recebem mais curtidas e mais interação, em vez de seguir a ordem cronológica da publicação.

Vídeos mais longos

A rede social anunciou ainda que vai liberar a publicação de vídeos mais longos.

O aplicativo de fotos anunciou nesta terça-feira, 29, que os vídeos publicados poderão chegar a um minuto de duração.

Também será possível usar vários clipes na edição. A novidade foi liberada somente para usuários do iOS, por enquanto, mas para Android ainda não há previsão.

Seis séries para quem é alucinado em tecnologia

Nós da Plin somos fissurados em tecnologia (ok, admitimos que somos um pouco nerds) e também em seriados. Afinal quem nunca fez uma maratona de séries que atire a primeira pedra… Por isso, baseado em uma lista realizada pelo site Tecmundo, nós também listamos algumas séries para quem também é louco por tecnologia. Os enredos são os mais variados.

1. Mr. Robot
mrrobot
Estrelado por Rami Malek (do game Until Dawn) e Christian Slater, Mr. Robot conta a história de Elliot, que faz as vezes de programador de uma companhia de segurança de dia, mas nas horas vagas é um hacker justiceiro. A produção faturou o Globo de Ouro de 2015 de melhor série dramática.

2. Silicon Valley
siliconvalley
Quem acompanha a indústria da tecnologia vai sentir pena e torcer pela PiedPiper, a startup fictícia da série que enfrenta todas as dificuldades possíveis para se instalar no famoso Vale do Silício. Também vai se deliciar com as piadinhas internas e referências.

3. CSI: Cyber

csicyber
Derivada da famosa e consolidada CSI – Investigações Criminais, CSI: Cyber mostra o cotidiano da equipe comandada por Avery Ryan (Patricia Arquette), na Divisão de Crimes Cibernéticos do FBI.

4. The IT Crowd

theitcrowd
Série britânica sobre um departamento de Tecnologia da Informação, o seriado mostra a história de dois nerds (Roy e Moss) com poucas habilidades sociais e que precisam conviver com todos os tipos de situações, desde o fato de sua chefe não saber nem como a internet funciona até o dono da companhia ser um típico milionário excêntrico e surtado.

5. Black Mirror

blackmirror
Trata das consequências da tecnologia em nossas vidas e como elas podem atrapalhar a forma como nos relacionamos. Os personagens de cada episódio não se repetem.

6. The Big Bang Theory

tbbt
Talvez a série mais nerd de toda a lista, ela conta as aventuras de Leonard, Sheldon, Howard, Raj e Penny. Além de situações sobre tecnologia, há também diálogos sobre filmes, ciência e quadrinhos.